sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Pé na estrada

Com o Flamengo chegando a uma pontuação que o coloca muito próximo de encerrar qualquer discussão sobre luta contra o rebaixamento, é natural que outros temas ganhem destaque nas rodas de conversas. A Copa do Brasil, claro, disputa o foco principal junto com o planejamento da temporada 2015 mas aos poucos retorna também o tema dos jogos fora do Rio de Janeiro, principalmente por causa dos altíssimos custos do Maracanã.

É sabido por todos que acompanham o Mais Querido que o consórcio que opera o estádio costuma ficar com uma parte significativa das rendas obtidas no estádio. A negociação feita pelo clube, contando com receitas advindas de camarotes, bares e estacionamentos, acabou não trazendo a receita esperada. Isso é consequência direta das mudanças feitas pelo governo do estado que impediu a demolição dos outros equipamentos, Celio de Barros e Julio Delamare, inviabilizando a construção de novos estacionamentos e da incrível incapacidade do consórcio de vender os camarotes. Jogo após jogo vemos a maioria deles fechados e apagados, o que significa perda de receita considerável para o clube.

A tabela do campeonato brasileiro indica que o Flamengo mandará ainda os jogos contra Chapecoense, Coritiba, Criciúma e Vitória, todos realizados em finais de semana. Nenhum destes jogos pode ser considerado como de grande apelo e, a menos que haja uma arrancada com uma sequência de vitórias que coloque o Flamengo na briga pelo G4, provavelmente a média público no Maracanã tende a diminuir nessa reta final.

De outro lado, a fantástica resposta da torcida rubro-negra nos jogos realizados em Cuiabá, Natal e Manaus não deixam dúvidas de que o Flamengo lotará a maioria dos estádios em que for jogar no país. Sendo assim, não seria agora então o momento certo de se fazer isso? Vou mais além, será que, ao invés de escolher uma praça específica, como foi Brasília em 2013, não valeria a pena marcar um jogo em Natal e outro em Fortaleza, por exemplo? E isso apenas para ficar em cidades com estádios da Copa porque não hesitaria em sugerir também Belém, Maceió ou João Pessoa, lugares onde o Rubro-Negro é comprovadamente popular.

Vejo como único grande obstáculo a logística para os jogos que nos restam pela Copa do Brasil. Essa semana mesmo, vimos o treinador rubro-negro reclamar bastante da viagem até Manaus e do impacto que teria nos jogadores para a disputa da semifinal da competição, que conta apenas com times do Sudeste a partir de agora. Nada impede porém, que a logística possa ser planejada junto com o treinador para aproveitar a possibilidade minimizando o impacto nos jogadores.

É importante lembrar que o Flamengo ainda precisa do máximo possível de receita, tendo recentemente tido que aprovar a solicitação de mais empréstimos nos conselhos do clube. Os jogos em outras praças talvez sejam uma saída para amenizar esse problema agora no final do ano. Na temporada passada houve muitas críticas por conta do baixo desempenho dentro de campo que acabaram deixando o time nas últimas colocações no campeonato. Será que agora isso teria menos impacto? Talvez, o mais prudente seja esperar os 45 ou 48 pontos e a decisão na Copa do Brasil para tomar essas decisões.


abraços a todos e SRN!

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Calúnia do Rúbio Negrão

Sejemos cinseros e analfabéticos: apoio a corrente da medicina que acredita na morte dos neurônios, porque é a única explicação razoável para o fato de tanta gente por aí já não ter mais nem o Tico nem o Teco morando na sua cabeça.

Não quero aparelhar o blog, posto que sou apolítico e murista convicto, mas neste momento histórico do povo brasileiro, quando escolheremos o nosso próximo governante, aquele em que depositaremos nossas esperanças, e que, por sua vez, depositará em nós algo bem mais concreto, deixarei de abordar “a coisa mais importante das coisas menos importantes” (obrigado, Juca Kfouri!), a saber, o futebol, e escreverei sobre a coisa menos importante das coisas mais importantes, ou seja, a política.

Cenão vejemos e erremos: nesta época de acirrado patrulhamento ideológico nas redes sociais, estádios, trabalho e até dentro de banheiros de botecos, quando chamar um eleitor de “indeciso” pode gerar pesadas acusações de homofobia, quando a referida legião isenta de Ticos e Tecos resolve ir “dar uma votada”, e quando, apesar de “politifóbico”, consegui perder seguidores no Twitter mesmo sem revelar se votarei na Dilma, no Aécio ou se deixarei o país na próxima segunda-feira, todo cuidado é pouco.

Devemos, sim, exercer o nosso sagrado direito à opinião, contanto que a profiramos lá de cima do muro, o mais afastados que pudermos das pedras lançadas pelos sempre irritáveis donos da verdade. Devemos, sim, ir às urnas, até porque votar é um dos poucos programas gratuitos que dá pra fazer aos domingos. E cada cidadão, flamenguista ou não, tem lá seu motivo e sua razão para escolher quem irá escolher. Cada um com seus problemas, mesmo que durante os próximos 4 anos os tais problemas se espalhem tal um Ebola cruel e ensandecido pros lados de gente que nada tinha a ver com isso. Estamos todos no mesmo barco, não é?

Assim sejendo (não encham o saco: o verbo sejer consta do Novo Acordo Ortográfico!), se determinado candidato comprou o voto do leal detrator por uma Bolsa Família, uma Bolsa Aeroporto, ou mesmo uma simples bolsa escrotal, o problema pode vir a ser meu se daqui a alguns meses o tal candidato, devidamente eleito, tentar “se casar comigo” no sentido penitenciário do termo. Então, o eleitor não pode vender o seu voto. Ou, pelo menos, deve vendê-lo caro. Ora, apesar de a nossa urna eletrônica ser um antiquado equipamento de primeira geração, de uso bastante simples, justamente para atender às necessidades especiais dos votantes de raciocínio mais lento, nada impede que estes levem uma colinha para gabaritar a mísera prova de apenas uma questão!

Fica, assim, o suspense que vem tirando o meu apetite: quem vencerá o grande jogo político PT x PSDB no domingo que vem? Será que o PT manterá a longa invencibilidade de 12 anos? Ou o PSDB finalmente voltará ao topo? Digo apenas que a minha sugestão de voto nem de longe privilegia a inclusão social, a política externa, o controle da inflação nem mesmo a manutenção da democracia. Se querem conhecer a minha opinião, rubro-negro tem mais é que votar naquele que prometer dar um estádio de presente pro Flamengo.

E, certamente, o Brasil irá crescendo junto conosco.


Duplex Toc Zen

1 - “Dilma e Aécio estão em empate técnico, aponta CNT/MDA”Tô dizendo que essa eleição ainda vai pros pênaltis...

2 - “O PT está no poder há 12 anos”Finalmente o Lula promoveu o seu partido ao nível Johnnie Walker Black Label.

3 - O leal detrator acha que os candidatos estão preocupados com uma derrota nas urnas?: Graças às fabulosas verbas de campanha, quando o político não mama na teta, mama no pleito.


4 - “Os pichadores do monumento a Zumbi dos Palmares alegaram não saber o que a suástica representa”: Beleza. Então prendam esses dois negões numa cela da irmandade nazista pra eles aprenderem rapidinho.

5 - Aliás, como esses ignorantes se atreveram a pichar o monumento à história dos sofridos e injustiçados zumbis?: Mais precisamente, o monumento à série “The Walking Dead.”

6 - Como alguns leais detratores pouco esclarecidos têm me perguntado o que significa a sigla LGBT, lá vai: Lambisgoias, Gulosos, Bichas, Travecos e Tarados por Trolhas.

7 - O nome do cara que fez mágica com este time do Flamengo?: Vanderlei Luxembruxo.

8 - “Fla aciona a Fifa para receber dinheiro referente à venda de Hernane”: Se o sheik devedor não fosse o do Al Nassr, mas o do Botafogo, essa grana iria aparecer mais fácil.

9 - Só agora percebi: O Vasco anda meio sumido, hein?

171 - A tal da inclusão social: O filho do Lula e a filha da Dilma só ficaram ricos graças ao programa Embolsa Família.

11 - Caiu a ficha: E não é que o Cruzeiro se sagrou campeão brasileiro ainda no 1º turno, e a gente nem se deu conta?

12 - Como insider profundo do Flamengo, cravo seco e sem vaselina: O time aqui da minha rua está 99% fechado com o Muralha e o Luis Antônio. 

13 - O Muralha é um jogador de sonho: Pena que caia muito de produção quando está acordado.

14 - “Não podemos esquecer que [Gabriel] é um peladeiro, que começou velho no futebol.” – Luxa: Putz! Se o Gabriel é peladeiro, o Muralha é o quê?

15 - E vem aí uma verdadeira epidemia em homenagem ao futebol: O Ebola.

16 - Contra o Flamengo, o time do Internacional me pareceu estar fechado com a Dilma: Porque deixou o vermelho de lado, e foi à luta trajando um branquinho básico.

17 - Já o time do Flamengo parece mesmo preferir o Aécio: Porque seu único objetivo é chegar aos 45.


18 - Twitter Cassetadas da semana (em tempo real só em @rubionegrao)

Tirando o Muralha, tá pra nascer jogador mais sem sangue que o Luiz Antônio.

O Luiz Antônio acaba de declarar que vai processar o juiz de nominho francês por perdas e danos.

Esse bosta do Luiz Antônio só serve pra processar o Flamengo. Parece até a oposição na Gávea.

Esse Baddy do Atlético_PR é ruinzinho mesmo.

"Mais magrinha, Mayra Cardi alivia o calor na piscina de casa nos EUA, após treino"
Quanto o globo.com cobra pra publicar isso?

O auditório do debate na Record me lembrou muito o do Silvio Santos.

Se o Gabriel do Santos é Gabigol, o do Mengão é Gabicréu.

E nada mais faço, porque no sábado começa a maldita lei seca.

(Ás do quinta-colunismo esportivo, Rúbio Negrão, vulgo Rubro-Negão Trolhoso, vulgo RNT, é cria dos juniores do blog da Flamengonet, e aceita doações de camisas oficiais novas do Flamengo no tamanho G.)

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Flamengo x Internacional


Campeonato Brasileiro 2014 - Série A - 30ª Rodada

FLAMENGO: Paulo VictorLeonardo Moura, ChicãoSamie João Paulo (Anderson Pico); CáceresMárciAraújoCanteros e ÉvertonGabriel e Eduardo da SilvaTécnico: Vanderlei Luxemburgo. 

Internacional: Alisson; Wellington Silva, Alan Costa (Thales), Ernando e Fabrício; Willians, Aránguiz, Alex, Alan Patrick e Jorge Henrique (Valdívia); Nilmar. Técnico - Abel Braga. 

Data, Local e Horário: Quarta-feira, 22 de outubro de 2014, as 22:00h (USA ET 20:00h), no Estádio Mário Filho ou "Maracanã", no Rio de Janeiro/RJ.

Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto, auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho (FIFA) e Marcelo Carvalho Van Gasse, todos de São Paulo.












Xô, G-4 do mal !


Finalmente e com muito atraso, a Rede Globo de Televisão pediu aos clubes a redução dos Campeonatos Estaduais, que consomem boa parte do calendário anual e gera atualmente um alto custo x benefício injustificável para o patamar de responsabilidades, de toda ordem, a que todos estão submetidos, com término no quinto mês do ano, maio, e jogos completamente desinteressantes em sua esmagadora maioria. Pode-se discutir, também, o horário das partidas, já que para a maioria dos mortais não faz sentido chegar em casa às 01:30 horas da manhã por ter ido assistir a um simples jogo de futebol;

Este sonho varzeano acabou, com o perdão dos clubes pequenos ou de "menores investimentos" como insistem os chatos politicamente corretos, pois foi esmagado por competições de maiores visibilidade e relevância em âmbitos nacional e internacional. A rivalidade agora mira os grandes clubes que disputam o Brasileirão e outros da América do Sul;

Pra mim, os meses de fevereiro e março estariam de bom tamanho para absorver a competição estadual, num complemento da pré-temporada realizada em janeiro e já misturando-se com a primeira fase da Libertadores. A partir de abril, apenas nos fins de semana, teríamos o sonolento Campeonato Nacional em pontos corridos, ficando as quartas e quintas-feiras destinadas à Princesa, Copa do Brasil e Sul-Americana até o fim do ano;

Isso enquanto as cabeças "coroadas" da CBF não ajustarem o calendário tupiniquim ao europeu para facilitar a vida de todos em relação à perturbadora janela de transferências, a qual tem imposto aos clubes começarem com um elenco as competições e saírem dela com outro completamente diferente;

Passando a bola para o fato do dia, que será encerrado com uma vitória do Mengão no Maracanã (que os anjos digam amém!) sobre o Internacional, num jogo que ganhou mais animação depois que o nosso "elefante em loja de louças", o zaqueiro Marcelo, fez um penalti completamente desnecessário em seu xará do Atlético Paranaense, levando-nos à derrota numa tarde que havia começado muito bem;

O rival de logo mais briga para manter-se no G-4 do bem e o Flamengo luta para afastar-se cada vez mais do G-4 do mal, uma maldita rotina a nos perseguir nos últimos anos.

SRN!

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Braza Sob Cinza

Hoje o tema seria livre, pode até ser, caso queiram, mas deixo a carta do Conselho diretor para discutirmos a política que interessa ao Blog, a do Flamengo, lógico. Como sempre, fiquem à vontade para comentar.






segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Por Uma Semana Produtiva

Bom, dia, amig@s do Buteco! O Flamengo sofreu ontem, em Curitiba, mais uma derrota da série "plenamente evitáveis". Não que ao adversário tenha faltado mérito e não que seja factível exigir de qualquer equipe, muito menos dessa, a perfeição, mas há erros e erros, se é que vocês me entendem... Vanderlei Luxemburgo tem pregado uma postura consciente por parte do elenco, de reconhecimento das próprias limitações, de modo a que a equipe em campo se porte de forma solidária, engajada e atenta. E acho que tem sido bem sucedido nesse propósito. Mas ontem três coisas, basicamente, não deram certo: o setor defensivo direito, falhas individuais, perfeitamente evitáveis, e a leitura do nosso treinador sobre o jogo, que resultou em duas substituições totalmente sem sentido no segundo tempo.

O time teve de dez a quinze minutos de domínio no início da partida. Os volantes Cáceres e Luiz Antonio apareceram na frente para tabelar, o time tocou bem a bola, criou chances e abriu o placar com naturalidade. Depois veio o recuo e a pressão do Atlético/PR. O setor defensivo estava tão frágil e desprotegido que, no lance do primeiro gol, Anderson Pico, que alternava as funções de terceiro zagueiro pela esquerda e lateral esquerdo, estava como zagueiro pela direita, onde deveria estar Marcelo. Em meio a esse tumulto Delatorre encontrou espaço para concluir e Cléo, dentro da pequena área, para marcar na sobra. A avenida na lateral direita continuou e em mais um espaço deixado por Léo Moura Marcelo cometeu um pênalti infantil e absurdo em seu xará atleticano, levando ao segundo gol do Furacão. Talvez a torcida do Flamengo reflita um pouco antes de aplaudir Marcelo em situações como sua expulsão, também infantil, contra o América/RN, na última quara-feira pela Copa do Brasil. Os problemas defensivos no setor direito têm natureza crônica nessa equipe, porém não justificam, mas ao contrário exigem maior responsabilidade e atenção da zaga.

Veio o segundo tempo e com ele três substituições de Luxemburgo: Nixon no lugar de Eduardo da Silva, que tinha pouca mobilidade em campo, o que pareceu lógico e sensato; João Paulo no lugar de Anderson Pico, o que pareceu absolutamente desnecessário e extravagante, eis que o rechonchudo novato não comprometia na lateral esquerda, e Muralha no lugar de Cáceres, o que pode ser comparado, basicamente, com trocar um ferrolho por um cordão de seda. Seguiram-se então situações curiosas: Delatorre, que vinha criando uma situação de gol após a outra pelo setor direito da nossa defesa, foi substituído logo após ser desarmado por Muralha. E seu substituto, Douglas Coutinho, passou a atacar pela esquerda e criar os mesmos problemas que existiam no setor direito. Sinto-me então na obrigação de indagar se não teria sido melhor reforçar o setor direito...

Enfim, uma tarde infeliz por parte de Luxemburgo e de alguns de nossos jogadores. Mas houve quem se destacasse: Canteros foi novamente excelente; Everton, principalmente, e Gabriel fizeram muito boa partida e Paulo Victor impediu um placar mais elástico.

***

É normal que a equipe esteja com a cabeça nas semifinais da Copa do Brasil, inclusive antes da derrota de ontem. Porém, também é importante lembrar que, ressalvada uma ainda distante possibilidade de termos um "G4 flutuante", ou seja, com Cruzeiro vencendo o Brasileiro e a Copa do Brasil e/ou o São Paulo vencendo a Sul-Americana, o Flamengo ainda tem ao menos um importante papel nesse Campeonato Brasileiro, que é garantir o quanto antes a permanência na Série A em 2015. A Copa do Brasil, como é natural de seu perfil, tem apresentado verdadeiras batalhas as quais, para o Flamengo, já resultaram em duas baixas importantes e que serão muito sentidas: Paulinho e Alecsandro. É preferível, então, que o time atinja a "Zona de Conforto" o quanto antes. Nessa semana terá duas boas oportunidades para ficar muito próximo dessa situação: Internacional no Maracanã e Botafogo em Manaus.

O Internacional, apesar da boa colocação na tabela, oscila principalmente fora de casa; já o Botafogo vive péssimo momento, o que inclusive recomenda todo o cuidado por conta da tradição e do aspecto emocional que marca o clássico, mas são dois jogos nos quais o Flamengo pode perfeitamente somar seis pontos e, com isso, iniciar as semifinais da Copa do Brasil absolutamente tranquilo. Basta relembrar o retrospecto: Abel Braga é freguês de caderno do Luxa e o Botafogo, principalmente em Brasileiros, é nosso freguês preferencial, e em Manaus a torcida será mais uma vez maciçamente a favor do Mais Querido.

Como se tudo isso não bastasse, acho importante o time somar seis pontos para entrar nas semifinais da Copa do Brasil confiante, embalado e em ritmo de decisão. Ficam então os pedidos para que os pensamentos do grupo não se dispersem durante essa semana, até porque o time tem muito a melhorar, inclusive por conta dos desfalques, e um especial para o Nixon desencantar contra times grandes nessas semifinais. Que tal começar os trabalhos já na próxima quarta-feira?

***

É hora de utilizar o elenco com inteligência. Quarta-feira, penso, é dia de entrar com força máxima e conquistar três pontos. Já no sábado vejo como primordial a providência de poupar os laterais Leonardo Moura e João Paulo para o confronto contra o Atlético/MG. Eduardo da Silva é outro que precisa ser utilizado na medida certa. O que @ amig@ do Buteco pensa a respeito? Como melhorar o ataque? Como de praxe, mandem suas escalações para o jogo contra o Internacional, quarta-feira, as 19:30h, no Maracanã, uma projeção para sábado e, é claro, suas opiniões a respeito da partida de ontem.

Bom dia e SRN a tod@s.

domingo, 19 de outubro de 2014

Atlético/PR x Flamengo


Campeonato Brasileiro 2014 - Série A - 29ª Rodada

Atlético/PR: Weverton; Sueliton, Cleberson, Gustavo e Natanael; Deivid, Paulinho Dias (Hernani), Marcos Guilherme (Bady), Marcelo, Cléo e Dellatorre (Douglas Coutinho). Técnico: Claudinei Oliveira.

FLAMENGO: Paulo Victor, Leonardo Moura, Marcelo, Samir e Anderson Pico (João Paulo); Cáceres, Muralha, Canteros e Éverton; Eduardo da Silva (Gabriel) e Nixon (Gabriel). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Data, Local e Horário: Domingo, 19 de outubro de 2014, as 16:00h (USA ET 14:00h), no Estádio Joaquim Américo Guimarães ou "Arena da Baixada", em Curitiba/PR.

Arbitragem: Jean Pierre Gonçalves Lima, auxiliado por Marcelo Bertanha Barison e José Antônio Chaves Franco Filho, todos do Rio Grande do Sul.



   

 

Comments