quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Guarda erguida, Flamengo












Irmãos rubro-negros,



Tenho a impressão de que 2020 será muito mais difícil que 2019.

A roubalheira descarada no primeiro jogo da final da Recopa Sul-Americana, as manifestações odiosas e recalcadas de parte da imprensa e a animosidade dos clubes arco-íris são indicativos do que está por vir em 2020.

As forças do atraso tentarão usar de subterfúgios e ardis para nós prejudicar.

Que a nossa diretoria esteja atenta à movimentação dos bastidores e aja sempre com astúcia, inteligência, firmeza e coragem em defesa dos interesses do Clube de Regatas do Flamengo.

O Flamengo terá de se superar ainda mais em 2020 se quiser ter um ano vencedor.

Não será fácil.

Hoje teremos o Maracanã lotado de rubro-negros a nosso favor. E esse fator sempre conta.

Nosso time terá alguns desfalques importantes, como Bruno Henrique e Rodrigo Caio. Mas o elenco foi reforçado exatamente para que se mantenha a qualidade em caso de ausência de um titular.

Mais uma decisão, amigos. E estamos ainda  fevereiro.

O ano de 2020 promete ser emocionante para o Mengo.

Avante Mengão!


...



Abraços e Saudações Rubro-Negras.

Uma vez Flamengo, sempre Flamengo.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Vamos desfrutar!!!


Olá Buteco, bom dia!

Diego Alves, Pará, Rodolpho, Rodrigo Caio e Renê; Cuellar, Arão, Diego e Everton Ribeiro; Vitinho  e Uribe. Parece muito longe, mas o Flamengo estreava na temporada 2019 com esse time aí, vitória de 2x1 contra o Bangu no Maracanã. Era o início da preparção do time para a disputa da Libertadores, que começaria 1 mês e meio depois.

O Flamengo era apenas o 30º colocado no ranking da Conmebol, atrás de times como Emelec, Santa Fe, Bolívar e outros afins. Entre os brasileiros, éramos os primeiros dos últimos, ou seja, considerando-se os 12 maiores clubes do país, só ficávamos à frente dos locais Fluminense, Botafogo e Vasco da Gama.

Apesar disso, o processo de reconstrução do futebol do clube começava a ter maior visibilidade com as contratações midiáticas de Arrascaeta e Gabigol (ambos apresentados nesse jogo contra o Bangu) e, logo depois, a contratação do homem de outro patamar, o impressionante Bruno Henrique, um jogador fantástico e que, muito merecidamente, viria a ser eleito o melhor jogador da principal competição das Américas no ano mágico.

Mas não nos adiantemos: até o final glorioso, havia ainda muito trabalho a fazer. Chegaram no meio do ano Rafinha, Filipe Luís, Pablo Marí, Gerson e o Mister Jorge Jesus. Ali era o Flamengo mostrando ao mercado que estava na hora de colher os frutos de todo o trabalho inciado em 2013. Montamos uma máquina de jogar de futebol e entramos para a história. 

O Flamengo do Ano Mágico era um time de futebol que tinha seu padrão (e que padrão!), decidia os jogos rapidamente quando encontrava alguma facilidade por parte dos adversários e que, ainda que estivesse perdendo, tinha consciência do que era necessário fazer para virar as partidas... E as virava.

O mais emblemático desse time era - como não ser outro??? - o próprio treinador que, em todas as entrevistas, fazia questão de dizer que seu time joga não apenas para vencer, mas também para dar espetáculo. O Flamengo de 2019 foi um espetáculo, uma das novas maravilhas do planeta!


***



O Flamengo de 2020 está em outro patamar... São patches e mais patches de campeão, que dão uma trabalheira danada para serem colocados todos em uma mesma camisa, mantendo algum nível de harmonização. No ranking da Conmebol, saltamos para um honroso 8º lugar (3º entre os brasileiros).

Defendendo não só os títulos do Brasileirão e da Libertadores, mas principalmente defendendo o seu próprio modelo de jogo, qualquer resultado que não seja uma vitória incontestável - como os 3x0 na decisão de Supercopa - já é apontado pela imprensa como uma "curva descendente de produção". 

Se as novas contratações não têm o mesmo nível do pacote 2019 (e como poderiam?), também já se apontam os dedos... "O Flamengo não tem reserva para goleiro, laterais, zaga, volante e meia!!". Ora, o Flamengo não tinha nem titulares para essas posições (😂😂😂)!  Aos poucos, a casa vai se ajeitando... Há um custo alto no pagamento das contratações do ano passado, na aquisição do Gabigol, nos salários, renovação do Mister... Para o primeiro semestre, estamos bem. O que faltar, podemos tentar repor na janela de Junho.

Sobre os novos contratados, há uma ansiedade natural de ver todo mundo jogando, mas como o Mister já explicou nessas primeiras entrevistas do ano, leva tempo para os jogadores entenderem a filosofia de jogo da equipe. Thiago Maia veio para ser reserva do Arão, mas alguém acredita que ele já fez essa função que o Arão faz aqui no Flamengo? Tem que treinar muito. 

O mesmo serve para  Pedro Rocha, que pode ser desenvolvido para ser uma alternativa a ausências tanto de Bruno Henrique quanto de Arrascaeta. Mas precisa compreender as movimentações coletivas da equipe, especialmente sem bola. Aliás, por falar em Arrascaeta, diz-se que nesse início de ano ele não tem sido tão espetacular, mas se olharmos bem, toda a movimentação sem a bola e, principalmente, quando o adversário a tem, está lá...

Zagueiros também precisam aprender as movimentações, com o agravante que qualquer falha nesse setor é perigo de gol. Em compensação, lá na frente, Michael e Pedro têm mostrado a bola que deles se esperava, especialmente o último. Dos reservas, espera-se exatamente isto: que entrem e contribuam efetivamente na produtividade da equipe.  


***


Flamengo Supercampeão do Brasil. Flamengo Campeão da Taça Guanabara. Além de trazer os troféus para casa, o que sempre deve ser a ambição do clube, gera status nessa queda de braço sobre os direitos de transmissão do Campeonato Carioca. 

Fizemos uma jogada arriscada, mas planejada para saúde financeira do clube nos próximos anos. O contrato do carioca estava muito aquém do que vale. Agora, não tem como pedir o que achamos que vale e não se classificar para a final... Com o título da Taça Guanabara, além da excepcional festa da Nação, que vem lotando todos os jogos, deixamos a Globo em xeque. 

As transmissões da Fla TV, só com a câmera no Mister, já estão mostrando o potencial de arrecadação para estas partidas. É preciso elevar o nível da transmissão, mas o pós-jogo de domingo foi muito interessante, com a Fla TV fazendo a cobertura da festa da entrega da taça e as entrevistas ao final. Aliás, numa dessas, o presidente Landim informou que o Flamengo vai colocar mais investimentos na Fla TV. Bola dentro.

***



Por fim, mais uma disputa! O Gustavo já escrutinou muito bem o clube do suco. Jogo será dificíl, os caras têm bola e não hesitam em abrir a caixa de ferramentas. Flamengo terá que ser gigante mais uma vez.

Então, vamos desfrutar desse gigantismo. Todos ao Maracanã, mesmo que colado na transmissão do Dazn. Seremos Campeões!!!

Saudações RubroNegras

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Ainda o Del Valle (e Afins)

Salve, Buteco! No post da semana passada trouxe um mapeamento geral do nosso adversário na disputa da Recopa Sul-Americana/2020, o Independiente del Valle. Depois do empate por 2x2 em Quito, na última quarta-feira, todo mundo conheceu um pouco melhor a equipe equatoriana, sem dúvida alguma bem treinada pelo espanhol Miguel Ángel Ramírez e bem postada dentro das quatro linhas. Contudo, também foi inevitável constatar que, se não fosse pela tendenciosa e desonesta arbitragem do trio uruguaio comandado por Leodán González, que safadamente anulou gol de Bruno Henrique e marcou o inexistente pênalti de Rafinha nos últimos minutos do tempo regulamentar, o Flamengo muito provavelmente teria saído vencedor do confronto. Porém, águas passadas não movem o moinho e é hora de saber como o adversário poderá se comportar como visitante.

No mesmo post, destaquei a campanha campeã do Del Valle na Copa Sul-Americana/2019, na qual, até a semifinal, a equipe havia sido derrotada em todas as partidas fora de casa. Antes que a Nação se anime demais e trate o adversário como uma galinha-morta, convém contextualizar o histórico da campanha do Suco como visitante naquela competição. A primeira dessas derrotas ocorreu em Santa Fé, na Argentina, no 0x2 contra o mesmo Unión que acaba de eliminar o Atlético/MG pela edição 2020 da competição. Na ocasião, a equipe era dirigida pelo também jovem espanhol Ismael Rescalvo, que comandou a vitória por 2x0 no jogo de volta, em Quito, e a classificação após dramáticos 4x2 nas cobranças de pênaltis, levando à classificação para a Segunda Fase.

Ismael Rescalvo Sánchez, hoje prestes a completar 38 anos, começou sua carreira com apenas 35, em 2017, na Colômbia, quando dirigiu o modesto Envigado de Antioquia, do qual partiu em 2018 para treinar o tradicional (na Colômbia) Independiente de Medellín, no qual permaneceu por um semestre, quando então mudou-se para o Independiente del Valle, onde substituiu o argentino Gabriel Schürer, que dirigia o Suco desde o início da temporada. Sob o comando de Ismael Rescalvo, o Suco terminou a Série A/2018 em um modesto sexto lugar, porém nos 4 primeiros meses de 2019 vinha fazendo muito boa campanha no "Equatorianão", com apenas uma derrota, até que o espanhol mais uma vez mudou de clube.

Imagino que, a esta altura, vocês estejam se perguntando se este escriba não está divagando no histórico do próximo adversário. Pois bem. E se eu dissesse que Ismael Rescalvo, antecessor de Miguel Ángel Ramírez no Independiente del Valle, foi o responsável por uma das 4 derrotas sofridas pelo Flamengo sob o comando do Mister Jorge Jesus? Rá! Por essa vocês não esperavam, certo? No final de abril/2019, Ismael Rescalvo deixou o Suco para dirigir o... Emelec, de Guaiaquil. E foi com o espanhol no comando do Emelec que, pelas oitavas de final da Libertadores da América/2019, o Mais Querido sofreu a custosa derrota em Guaiaquil e pariu um caminhão de porcos espinhos no Maracanã para se classificar para as quartas-de-final da competição, após uma ultra-dramática disputa de cobranças de pênaltis.  

O resto é história...

Miguel Ángel Ramírez assumiu o Independiente del Valle em maio/2019 e seu trabalho, naturalmente, é uma sequência do trabalho de Ismael Rescalvo, também espanhol, escola vizinha da também próspera portuguesa, de tanto sucesso recente no primeiro mundo do futebol. Não é de surpreender que Rescalvo tenha dado trabalho para o Mister Jorge Jesus, assim como não convém duvidar que Miguel Ángel Ramírez possa fazer o mesmo na próxima quarta-feira. De concreto, é preciso olhar com atenção para o desempenho tático do Independiente del Valle nos momentos mais decisivos da Copa Sul-Americana/2020, em Itaquera e na final em jogo único, contra o Colón de Santa Fé, arqui-rival do Unión.

Contudo, e com todo o respeito ao Suco e seu promissor treinador, na próxima quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020, o Flamengo conquistará o seu primeiro título internacional oficial no Maracanã.

E o resto será história...

***

Durante a pesquisa sobre o Del Valle ficou claro para mim que o futebol equatoriano evolui a olhos vistos devido à importação de treinadores de importantes escolas como a argentina e a espanhola. É o caso, por exemplo, do Barcelona de Guaiaquil, possível adversário do Flamengo no Grupo A, desde que supere o Cerro Porteño. Os "Canarios" ou "Toreros", como são conhecidos, foram treinados por 4 anos pelo argentino Guillermo Almada, que, por seu bom trabalho, partiu em abril/2019 para dirigir o rico Santos Laguna, do México. Sob o comando de Guillermo Almada, o Barcelona teve a campanha histórica na Libertadores/2017, quando se classificou em segundo lugar no Grupo A, com Botafogo, Atlético Nacional e Estudiantes La Plata, e eliminou, na sequência, os brasileiros Palmeiras e Santos, até parar no futuro campeão Grêmio. 

Tentando repetir Almada, a Diretoria aposta no também argentino Fabián Daniel Bustos, que terá pela frente, como visto, o Cerro Porteño dirigido por Francisco Arce, paraguaio que, como atleta, foi um exímio lateral direito pelo Palmeiras e pela Seleção do Paraguai, e hoje é definido como treinador "com mentalidade ofensiva", já colecionando alguns trabalhos interessantes. É curioso observar, porém, que em 2019 o Cerro Porteño foi dirigido por outro jovem espanhol, de nome Fernando Jubero, que levou o "Ciclón de Bairro Obrero" a, na fase de Grupos da Libertadores, superar o Nacional de Montevidéu e o Atlético/MG e, nas oitavas de final, o San Lorenzo de Almagro, até encontrar o River Plate de Marcelo Gallardo nas quartas de final.

O resto é história...

Ainda que fosse possível, seria complicado escolher entre esses dois potenciais adversários. Porém, vamos olhar pelo ângulo do copo meio-cheio: se há alguns anos um grupo como esse seria sinônimo de eliminação precoce para o Flamengo, hoje especialmente o Independiente del Valle e o vencedor de Barcelona x Cerro Porteño disputarão o segundo lugar do Grupo A, pois o primeiro já tem dono...

***

Everything is connected, dirão os mais místicos. O certo é que não há coincidências no futebol, mas apenas o que passou desapercebido aos olhos dos incautos. 

Felizmente não é caso do Mister e de sua competente comissão técnica.

Estou cada vez mais convencido de que o Flamengo está no caminho certo, com os melhores profissionais possíveis.

***

A palavra está com vocês.

Bom dia e SRN a tod@s.

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Boavista x Flamengo


Taça Guanabara/2020 - Final (Jogo Único)

Sábado, 22 de Fevereiro de 2020, as 18:00h (USA ET 16:00h), no Estádio Jornalista Mário Filho ou "Maracanã", no Rio de Janeiro/RJ.

Boavista: Klever; Wellington Silva, Douglas Pedroso, Elivelton e Jean Vítor; Fernando Bob, Jefferson Renan, Tartá e Erik Flores; Michel e Caio Dantas. Técnico: Paulo Bonamigo.

FLAMENGO: César; JoãLucas, Léo Pereira, Gustavo Henrique e Renê; ThiagMaia, Diego e Vitinho; Michael, Pedro e Gabigol. Técnico: Jorge Jesus.


Arbitragem: Marcelo de Lima Herique, auxiliado pelos Assistentes 1 e 2 Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Thiago Henrique Neto Farinha. Quarto Árbitro: Alex Gomes Stefano. Quinto Árbitro: Daniel de Oliveira Pereira. Árbitro de Vídeo (VAR): Wagner do Nascimento Magalhães.  Assistentes VAR 1 e 2: Grazianni Maciel Rocha e Diogo Carvalho da Silva. Observador de VAR: Cláudio José de Oliveira. Técnico: José Carlos Santiago.

Transmissão: Rádio Globo RJ (98,1 FM), Rádio Globo AM (910 AM), Super Rádio Tupi (96,5 FM e 1280 AM), Rádio Nacional (1130 AM), CBN Rio (92,5 FM), Rádio Monte Verde (91,1 FM), Rádio Cabo Frio (89.3 FM) e Rádio Bradesco Esportes (91,1 FM). Internet: FlaTV (YouTube - áudio), Rádio Carioca Futebol (https://www.radiocariocafutebol.com/) e Rádio Gama Esportiva Belfort Roxo (radiogamaesportiva.com/?m=0).


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Independiente del Valle + Arbitragem 2 x 2 Flamengo - O roubo

O que vimos ontem pelas telas da DAZN, vulgo, "dazon", foi um acinte. Flamengo foi assaltado no Equador e, como é de praxe neste país, teve um jogador seu severamente atingido sem menor punição por parte da arbitragem. É uma tristeza constatar que a mentalidade pequena e xenófoba dos dirigentes da Commebol atendem muito bem os desejos de europeus e inviabilizam a transmissão de seus jogos decisivos para outras partes do mundo. Ninguém quer ser enganado. Ninguém gosta de ser ludibriado. E acompanhar jogos da Commebol gera um constante sentimento de revolta em quem quer ver um bom jogo. Arbitragens caseiras ao extremo ao ponto da criminalidade. Como vimos no terrível quadro de arbitragem que se apresentou ontem. Os uruguaios roubaram em campo e roubaram no VAR. E conseguiram assim o empate para o Independiente del Valle. Não sei do que se beneficiam disso, mas imagino.

Flamengo começou mal, com Diego perdido em campo. Ninguém entendeu sua escalação pelo Mister. Talvez até tenha treinado para algum tipo de posicionamento e movimentação tática, mas pode ser que a altitude o tenha prejudicado. Arrascaeta também não conseguia render. E a zaga do Flamengo, durante boa parte só contou com um zagueiro, porque o Gustavo Henrique foi de uma nulidade constante ao longo do jogo, fazendo com que Felipe Luis se desdobrasse em ser lateral e zagueiro. Talvez fosse até mais jogo pro Renê.

E o Independiente saiu na frente. Em uma falta cobrada perto da área, Diego Alves falhou fragorosamente, deixando a bola passar entre os braços. Um frango de assinatura do Muralha. Isto fez os equatorianos mais felizes e a arbitragem também. A ponto de logo em seguida anularem um gol perfeitamente legal do Flamengo com o sempre ótimo Bruno Henrique arrancando de seu próprio campo. O VAR ficou quinhentos minutos analisando para tentar tirar qualquer ato por menor que fosse que justificasse a anulação de um lance de gol tão bonito. Mas decidiu dar um dane-se a mim, a você e a todos que assistiam a partida e invalidou o lance baseando-se no "eu quero e eu posso". 

Enfim, arbitragem Commebol é assim. Sabemos desde sempre. Mas estamos no século XXI, quinhentas mil câmeras, há a explosão de coberturas jornalísticas off-line, on-line, de todo tipo de porte. É inadmissível mentalidades tão tacanhas e torpes continuarem dirigindo o futebol do continente. Muito atraso mental. Precisamos avançar. Arbitragens sérias e profissionais. O que vemos é o amadorismo cafajeste de sempre.

Pois bem. Veio o segundo tempo. Vitinho entrou no lugar do Diego e o Flamengo melhorou muito. Mesmo que sem ritmo abriu o campo pela esquerda. Fez ótimas jogadas individuais, mostrando o bom jogador que é. Espero que este ano deslanche de vez no Flamengo. Porque se for contratado por outro time irá arrebentar lá. 

E, enfim, Bruno Henrique dispara para o gol. Goleiro pula pro alto e mergulha com os pés virando as solas pras pernas do Bruno Henrique. Não queria defender. O marginal queria tirar o Bruno Henrique da partida e de sua vida profissional. Ainda assim Bruno Henrique fez o gol e sofreu a entrada duríssima deste pulha. Nada aconteceu ao cafajeste. Fingiu sentir dor e o juiz deixou correr o lance. Feliz de ter tirado Bruno Henrique da partida. O VAR tão "perfeccionista" procurando por um pentelho para anular o gol no primeiro tempo ignorou completamente este lance de expulsão clara. Não será punido, nada irá acontecer a ele. Mas levantar plaquinha é o crime a ser perseguido pela Commebol. Jogador reclamar de atos racistas da torcida, também é punido. Quebrar colegas da profissão de forma intencional, não.

Flamengo 1 a 1 e melhor na partida. Pedro entra na partida. E Pedro = gol. Que aproveitamento tem este centroavante. Em boa jogada pela linha de fundo, bola sobrou pro Pedro e, claro, gol. Flamengo 2 a 1 e sobrando.

Indenpendiente del Valle foi toda a frente. Nesta altura o Flamengo já se estrebuchava com a falta de oxigênio. E, em mais um erro capital, um jogadorzinho do time equatoriano se atira na área perto do Rafinha. Foi o suficiente para o péssimo árbitro marcar pênalti. Que foi convertido.

Empate. 2 a 2. Flamengo foi roubado. Mas há o jogo da volta. Aqui não tem o doping da altitude que a Commebol presenteia times sul-americanos. Aqui a parada é a nível do mar. Temos que ganhar. Fazer 4 gols para valer 1. Porque o jogo da Commebol é bruto e desleal. 

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Independiente Del Valle x Flamengo


Recopa Sul-Americana/2020 - 1º Jogo (Ida)

Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2020, as 22:30h (USA ET 20:30h), no Estádio Olímpico Atahualpa, em Quito/Equador.

Independiente Del Valle: Pinos; Jhon Sánchez, Schunke, Segovia e Beder Caicedo; Franco, Perellano, Favarelli e Murillo; Fernando Guerrero e Gabriel Torres. Técnico: Miguel Ángel Ramírez.


FLAMENGO: Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Gustavo Henrique e Filipe Luís; Gérson, Willian ArãoEverton Ribeiro, Diego e De Arrascaeta; Bruno Henrique. Técnico: Jorge Jesus.

Arbitragem: Leondán González, auxiliado pelos Assistentes 1 e 2 Nicolás Taran e Richard Trinidad, trio da Asociación Uruguaya de Fútbol (AUF). Quarto Árbitro: Mario Díaz de Vivar, da Asociación Paraguaya de Fútbol. Árbitro de Vídeo (VAR): Esteban Ostojich (AUF).  Assistentes VAR 1 e 2: Victor H. Carillo (Federación Peruana de Fútbol) e Alexander Guzmán (Federación Colombiana de Fútbol - FCF). Observador de VAR: Mauricio Espinosa (AUF). Assessor Internacional: Oscar Julian Ruiz (FCF).

Transmissão: DAZN (Internet por assinatura - Smart TVs e aplicativos para celular).


Semana Decisiva











Irmãos rubro-negros,




Após a conquista inquestionável da Supercopa do Brasil, domingo passado, o Flamengo vai a campo hoje à noite para mais uma decisão, diante do Independiente del Valle, do Equador.

E sábado que vem, nova decisão, valendo o título da Taça Guanabara.

São decisões em sequência, ainda como reflexo do estrondoso sucesso do Mengão em 2019.

A partida de hoje tem sabor especial por ser inédita para o clube.

Jorge Jesus vai mandar a campo a força máxima rubro-negra. E tem de ser assim. Vale taça, vale título e é o Manto Sagrado. Só a vitória interessa.

São momentos históricos vividos pelo Flamengo. Momentos com os quais sonhamos a vida inteira.

Vamos vivenciá-los intensamente.

Te amo, Mengo.



...




Abraços e Saudações Rubro-Negras.

Uma vez Flamengo, sempre Flamengo.